Fotógrafo cria projeto baseado nos distúrbios alimentares na pandemia

Fotógrafo cria projeto baseado nos distúrbios alimentares causados pela pandemia

A pandemia de Covid-19 que assolou o planeta em 2020 contribuiu muito para elevar o nível de ansiedade da sociedade. E muitas pessoas que fazem parte desse índice acabaram buscando alívio em uma forma já bem conhecida dos ansiosos: a comida. Pensando nisso, o fotógrafo Osvaldo Furiatto criou o projeto autoral chamado “Acho que vi comida”, onde criou uma espécie de alucinação gastronômica com cenas comuns do dia-a-dia.

“Eu sou uma pessoa muito ansiosa, e constantemente busco alívio na comida. Durante a pandemia, tive que me policiar para não ficar comendo o dia todo”, conta Osvaldo. Assim sendo, o fotógrafo começou a olhar à sua volta objetos ou parte deles que se pareciam com algum tipo de alimento. “A primeira imagem que me veio à cabeça foi do telefone sem fio que fica sobre minha mesa. Pensei: e se o monofone fosse uma banana.”

Ali nascia realmente o projeto autoral do ano da pandemia. No passo seguinte, Osvaldo começou a criar e listar combinações que fariam sentido. Com a limitação imposta pela quarentena, o fotógrafo começou a usar objetos que tinha em casa, e aproveitava as poucas idas ao mercado para comprar os alimentos que se encaixavam na cena.

“A maior dificuldade foi que eu só podia usar objetos e cenários que tinha em casa, então tive que usar a criatividade para conseguir um resultado interessante e não ficar repetitivo”, explica Furiatto.

As produções começam após o término de trabalhos que Osvaldo fez para a cobertura fotojornalística da pandemia em sua região durante o primeiro período crítico da quarentena. “Essa foi uma fase de ansiedade e stress altos, porque meus protocolos de segurança eram bem rígidos e os locais de trabalho muito inóspitos. Um dia era fotografia em cemitério, no dia seguinte em hospital, e por assim foi. Quando terminei, a ansiedade estava nas alturas”, conta o fotógrafo.

O jeito foi começar a focar o pensamento no projeto e sua execução. Ao todo foram produzidas 15 imagens com 15 alimentos diferentes, escolhidos um diferente para cada imagem finalizada, todos in natura e sem nenhum tipo de manuseio, preparação ou industrialização.

Projetos autorais anteriores

“Acho que vi comida” é o sexto projeto autoral do artista. Em 2014 o autor lançou “Uma moto por dia”, onde durante 365 dias, postou uma foto de sua autoria que continha uma motocicleta. Em 2015 foi a vez do “Minions em uma moto por dia”, uma sátira ao projeto anterior, onde durante 30 dias foram fotografados bonecos dos personagens de animação em motocicletas de brinquedo. Já em 2016, “As 100 sacras” reuniu cem imagens produzidas em locais sacros, todas em preto e branco e também publicadas uma por dia. O quarto tema foi “Mandalas 360”, lançado em 2018, que além de um projeto autoral também se tornou um novo conceito inédito que mistura fotografia e arte. “O céu e a antena”, lançado em 2019, foi uma espécie de premonição do que aconteceria no ano seguinte, onde por 80 meses, o fotógrafo capturou o céu visto da própria janela. Outros cinco temas já estão em execução e serão lançados nos próximos anos.

Você pode acompanhar mais sobre “Acho que vi comida” no site do fotógrafo (osvaldofuriatto.com.br) ou pelas redes sociais Facebook (facebook.com/offotografia) ou Instagram (@osvaldof).

Clique aqui para ver todas as fotos do projeto

Sobre o autor

Osvaldo Furiatto é fotógrafo e designer. Com 30 anos de experiência na área de imagem, começou na publicidade, passou pelo jornalismo e hoje está à frente de quatro marcas ligadas à fotografia e design.