Fotógrafo usa técnica de imagens 360 graus para criar mandas fotográficas

Fotógrafo usa técnica de imagens 360 graus para criar mandas fotográficas

O fotógrafo Osvaldo Furiatto teve uma sacada diferente: porque não usar uma técnica aplicada em ambientes externos em um interno? Olha no que deu.

Embora as fotografias 360 graus ainda não sejam tão populares como outras técnicas, elas vêm ganhando espaço a cada dia. Esse avanço está ligado principalmente ao aumento no número de lançamentos de câmeras específicas para essa finalidade e a inclusão desse recurso nos smartphones mais modernos. Dentro da produção fotográfica de 360 graus há alguns recursos que diferenciam os tipos de imagem uma da outra. O tipo mais comum é a foto cilíndrica, que pode ser produzida com a maioria dos smartphones lançados recentemente. Ver uma imagem cilíndrica se assemelha ao ato de virar a cabeça para o lado direito ou esquerdo. Já na fotografia esférica é necessário ter uma câmera com lentes específicas para que ela possa ser produzida. Nesse tipo de imagem, além da sensação de movimento para a esquerda e para a direita, também pode-se olhar totalmente para cima e para baixo.

Há ainda um terceiro recurso, esse um pouco menos usado e conhecido, chamado de “little planet” (ou pequeno planeta). Ele gera uma imagem estática circular como se o cenário todo a sua volta fosse capturado e transformado em um planeta relativamente pequeno. Essa técnica geralmente é usada em ambientes externos ou paisagens, isso porque, são locais mais propícios para que a sensação de um planeta fique mais visível e real. Foi estudando essa técnica que o fotógrafo Osvaldo Furiatto teve uma grande sacada: por que usar esse recurso somente em ambientes externos e não em internos também?

Com isso em mente, o fotógrafo pegou uma das imagens que já havia capturado anteriormente e aplicou a técnica. E qual foi a surpresa? A foto gerada se assemelhou a uma grande mandala, rica em detalhes, cores e formas. Além disso, não perdia os pontos essenciais fotografados em 360 graus naquele ambiente. “Eu procuro sempre pensar fora da caixinha. Fiquei um tempo estudando a técnica da fotografia em 360 graus e analisando o que os outros fotógrafos que trabalham com isso estavam fazendo. Em um determinado momento, percebi que não tinha visto ainda nenhuma foto usando o lettle planet em um ambiente interno. Inclusive não sei dizer nem se alguém já tentou isso. Foi aí que peguei uma imagem que eu já tinha feito e apliquei a técnica.”, revela Osvaldo.

Essa primeira imagem gerada foi do interior de uma igreja, a Basílica do Carmo, que está localizada em Campinas, SP, e que fazia parte de um projeto do fotógrafo para criar imagens em 360 graus de alguns lugares conhecidos e históricos da cidade. A segunda foto também foi de uma igreja, a Catedral Cristo Rei de Cornélio Procópio, no Paraná. “Eu também já tinha a foto dessa igreja e a escolhi porque ela é rica em formas, mas possui uma paleta de cores bem mais homogenia. Eu queria ver eu se nessas condições a mandala também ficaria boa”, conta Osvaldo.

Surpreendentemente o resultado também foi muito satisfatório na visão do artista. O passo seguinte foi ver se a técnica podia gerar boas imagens em outros ambientes que não só igrejas, já que estas sempre são ricas em detalhes, cores e formas. Osvaldo então começou a procurar locais que pudessem render uma boa imagem. Escolheu então a Ceasa Campinas (Centrais de Abastecimento de Campinas), um entreposto comercial de hortifrutis, e realizou a experiência com uma fotografia que produziu lá. “O resultado foi igualmente interessante. Ali comecei a entender como o ambiente tinha que ser para a mandala ficar visualmente chamativa”, diz Osvaldo.

Foi a vez então de testar em um ambiente menor, e o escolhido foi uma casa. “A mandala feita em uma casa também ficou muito interessante, e isso ampliou muito os horizontes. O que muda basicamente de uma foto para a outra é a quantidade de detalhes. O mais interessante dessa técnica aplicada é ficar observando as formas e cores na imagem. Conforme você vai aprofundando o olhar na fotografia você vai descobrindo cada vez mais informações visuais sobre o cenário que estava presente na hora da captura da foto.”, comenta Osvaldo. Depois de produzir uma série de imagens iniciais, o fotógrafo agora está preparando uma lista dos lugares que vão servir de cenário para produzir as próximas mandalas.

 

Você pode acompanhar mais sobre as mandalas no site do fotógrafo (osvaldofuriatto.com.br) ou pelas redes sociais Facebook (facebook.com/offotografia) ou Instagram (@osvaldof).

Sobre o autor

Osvaldo Furiatto é fotógrafo e designer. Com mais de 25 anos de experiência na área de imagem, começou na publicidade, passou pelo jornalismo e hoje está à frente de sua própria agência fotográfica.